2013-05-01

COMO LIDAR COM AS TEMPESTADES

Como lidar com as tempestades.

Sl 107.21-31; Mc 4.35-41; 5.1-8

Introdução: 
Reconheça a origem da tempestade.
Como lidar com as tempestades da vida

I. Esteja na companhia de Cristo (v.36. Jo 15.7).
A. Tempestade vem mesmo quando Jesus esta no barco. 
B. Ela veio mesmo os discípulos tendo obedecido a Jesus.

II. Confie em Jesus, não em você em suas habilidades. (v.37; PV 3.5)
A. Diante das tempestades temos que confiar no mestre
B. Diante de uma tempestade provocada no mundo espiritual não adianta usar só nossas habilidades naturais.

III. Não Tenha medo (v.38; MT 14.27-31).
A. Existe pelo menos 365 vezes na bíblia a expressão” Não temas”
B. Fé e medo são duas forças espirituais antagônicas
C. Ter Jesus em nossa vida faz toda diferença para a vitória
D. Por mais que o diabo se levante e tente-o sempre será um derrotado por Jesus nosso Senhor

IV. Use a autoridade outorgada a você. (Mc 5.1-8)
A. Agindo com fé e ousadia contra as intenções do maligno.
B. Exercendo com firme espirito de fé, baseado na palavra que vence todo mal.

Conclusão:
mesmo andando com o Senhor, todos nos estamos expostos a passar por tempestades, mesmo que você não tenha a fé necessária, saiba que ele esta com você Ele te levanta pela mão e acalma a tempestade nos ensinando que as tempestades da vida nos fazem crescer e chega à outra margem.

COMO LIDAR COM AS TEMPESTADES

Como lidar com as tempestades.

Sl 107.21-31; Mc 4.35-41; 5.1-8

Introdução: 
Reconheça a origem da tempestade.
Como lidar com as tempestades da vida

I. Esteja na companhia de Cristo (v.36. Jo 15.7).
A. Tempestade vem mesmo quando Jesus esta no barco. 
B. Ela veio mesmo os discípulos tendo obedecido a Jesus.

II. Confie em Jesus, não em você em suas habilidades. (v.37; PV 3.5)
A. Diante das tempestades temos que confiar no mestre
B. Diante de uma tempestade provocada no mundo espiritual não adianta usar só nossas habilidades naturais.

III. Não Tenha medo (v.38; MT 14.27-31).
A. Existe pelo menos 365 vezes na bíblia a expressão” Não temas”
B. Fé e medo são duas forças espirituais antagônicas
C. Ter Jesus em nossa vida faz toda diferença para a vitória
D. Por mais que o diabo se levante e tente-o sempre será um derrotado por Jesus nosso Senhor

IV. Use a autoridade outorgada a você. (Mc 5.1-8)
A. Agindo com fé e ousadia contra as intenções do maligno.
B. Exercendo com firme espirito de fé, baseado na palavra que vence todo mal.

Conclusão:
mesmo andando com o Senhor, todos nos estamos expostos a passar por tempestades, mesmo que você não tenha a fé necessária, saiba que ele esta com você Ele te levanta pela mão e acalma a tempestade nos ensinando que as tempestades da vida nos fazem crescer e chega à outra margem.

O CHAMADO DE ISAIAS

O Chamado de Isaías

Texto: Isaías. 6.1-10;
Introdução: Isaías já era um profeta de Deus, e já profetizava em Israel, mas faltava ele se entregar totalmente ao Senhor, arrepender - se de seus erros e pecados e tirar o impedimento para que Deus pudesse usá-lo ainda mais. 

1. A Revelação (1 – 4).
O Rei Uzias morreu quando insistiu em queimar incenso no templo, porém foi ferido de lepra e assim permaneceu até a sua morte (2Cron. 26.16-21); após a sua morte Isaías recebeu uma visão, e diante dele manifestou - se uma teofania, ou seja, Deus se materializando, a qual ele viu a glória de Deus, as vestes flutuantes e compridas, o templo que está no céu e os Serafins. Os Serafins possuíam seis asas, com duas cobriam o rosto, cobriam os seus rostos porque não podem ver diretamente a glória de Deus, e com duas cobriam os pés, provavelmente para cobrir a sua nudez e com as outras duas usavam para voar, e clamavam uns aos outros dizendo: Santo, Santo, Santo é o Senhor dos Exércitos; toda a terra esta cheia da sua glória, provavelmente a menção tripla da palavra Santo seja em referência a Trindade Santíssima.

2. O Arrependimento por parte de Isaías (5;). 
Nos capítulos anteriores observamos o profeta dizendo vários “Ais” para vários tipos de pessoas, mas no Cap. 6 e V. 5; ele diz a si mesmo, Ai de mim que vou perecer, porque tenho os lábios impuros e habito entre um povo de impuros lábios e assim ele pronuncia a causa para isso ter sucedido, ou seja, reconhecimento do seu estado pecaminoso, “Os meus olhos viram o Rei, O Senhor dos Exércitos”.
Obs.Metanoia: Significa arrependimento, mudança de mente, atitude ou percurso e não remorso que é algo temporal.
* Os judeus tinham com eles que quando vissem á Deus morreriam, foi o caso de Manoá, Jz. 13.22; (Jacó, Gn. 32.30; Moisés, ÊX. 19; -33.20;).
* Aba Pai: Significa Meu caríssimo pai, papaizinho, é uma expressão aramaica usada pelos judeus referindo aos pais e usada dentro de suas residências. 
* Cristo quando estava no Getsêmani pronunciou esta expressão referindo-se á Deus (Mc. 14.36; Rm. 8.15; Gl. 4.6;), é um sinal de intimidade que os judeus não se atreviam proferir em relação á Deus, porque para eles Yavé era um Deus distante que não queria aproximação com o seu povo, e a forma de se aproximar dele era através da Torá, porque a Torá era o eco da voz de Yavé e nada mais do que isso, mas Cristo abriu o canal de relacionamento com o Pai através de seu sangue (Hb. 4.14 – 16; 10.12;), e quando deu o brado na cruz o véu rasgou – se de alto a baixo e o que separava a humanidade de seu Criador rompeu – se e agora podemos adentrar o santíssimo lugar e relacionarmos - nos com o Pai (Mc. 15.37 – 38;).
3.A Purificação (6 – 7)
O Serafim voou e trouxe do altar de Deus uma brasa viva que tocou os lábios do profeta e purificou – o de seu pecado e então ele estava pronto para receber o chamado e a mensagem divina, porque sem santificação não veremos ao Senhor (Hb. 12.14;).

4. O chamado (v.8;)
A Trindade Santíssima clama por um profeta para efetuar os seus fins. A comissão de Isaías provavelmente antecedeu ao ministério da pregação; esse relato foi adiado para servir de desfecho da série de oráculos e para fornecer a autorização para as proclamações chocantes de juízo neles contidas. O povo tinha zombado do “Santo de Israel”
E agora Deus comissionou Isaías para lhes exigir prestação de contas.

5. O Recebimento da mensagem (9 – 10;).
E a resposta do profeta ao chamado foi “Eis me aqui, envia – me a mim”.
Deus deu uma mensagem para o profeta, e o encubiu de pregá-la independentemente da sua aceitação.
*Cristo também nos deu uma mensagem de arrependimento para prega – lá ao mundo, continuemos a pregar esta mensagem deixada por nosso mestre, não importa os obstáculos.

A SARÇA ARDENTE

A SARÇA ARDENTE

Texto - Tema: Êxodo. 3 e 4;

Os três períodos na vida de Moises na escola de Deus. 1) Viveu 40 anos no Egito aprendendo toda ciência e cultura e se tornou um poliglota e um cientista; 2) Viveu 40 anos na casa de seu sogro Jetro cuidando de seu rebanho e virou pastor de ovelhas, casou – se e constituiu uma família e esqueceu de tudo que tinha aprendido no Egito e disse a Deus que não sabia falar; 3) Libertou o povo do Egito e viveu 40 anos no deserto sofrendo com a incredulidade e a rebeldia do povo e sendo alvo de sedições e conspirações, mas maravilhas aconteceram no seu ministério até levar o povo para a terra prometida.
Quando Moises se encontrou com o Senhor no deserto Deus fez uma exigência primordial para relacionarem se entre si. Faltava uma coisa para Moises ver a glória de Deus, tirar as sandálias dos seus pés para estar onde Deus estava. Para ele era algo ilógico e inusitado tirar as sandálias dos seus pés, porque já estava acostumado e habituado pisar na sarça com as suas sandálias, quando ia buscar as ovelhas fujonas de seu sogro Jetro, mas agora Deus olha para ele e diz que tem de tirar as sandálias dos pés, porque o lugar onde ele pisa é santo, é santo porque a minha presença esta aqui neste lugar foi à primeira lição que Deus ensinou a Moises, ou seja, a santidade regra imprescindível e primordial para estabelecer relacionamento com o nosso criador. É o que acontece conosco, já estamos tão acostumados de vir à casa de Deus que não nos damos conta de quem esta lá, assim não vemos a glória de Deus porque não tiramos as sandálias dos pés, a bagagem que nos impedem de ter contato com o sobrenatural. 
Deus escolheu uma simples sarça para fazer brilhar a shechiná (A luz divina) em lugar de outras arvores lindas e majestosas para dar aos homens o exemplo de humildade. A madeira da sarça não serve para talhar ídolos. As aves que sobre a sarça pousam, soltam suas plumagens; assim ocorre aos povos que oprimem Israel ou a igreja, que por isso causam danos a si mesmos. A sarça tem espinhos, e o espinho é a planta da dor, tal como é o povo do sofrimento. A sarça ardia no fogo, mas não se consumia, assim a dor pode arder no povo de Israel (igreja), mas sem destruí – lo jamais.
O texto descreve a visão de Moisés de três formas diferentes: 1) Como uma chama de fogo; 2) Como um anjo; 3) Como Deus. Esta é a primeira profecia de Moises, ele é exposto a ela de forma gradativa, como alguém que está num quarto escuro, cujos olhos não podem tolerar serem expostos à luz imediatamente. Primeiro Moises vê uma estranha chama de fogo que coloca em alerta sua curiosidade investigativa. Depois revela – se a ele que há um anjo no fogo, e ao tomar consciência de estar vivenciando um novo fenômeno, ele tem uma visão de Deus, que se apresenta primeiro como o Deus de seu pai, Anrão e só depois como o Deus de seus patriarcas. Eterno – o nome que se aparece neste capitulo preponderantemente é Elohim, o nome que denota o espírito de justiça divina, pois sua missão era julgar o Egito por causa de sua excessiva crueldade. No entanto, nos três momentos em que se revela a Moises (2, 4,7), ele é Eterno, o nome que denota a misericórdia divina demonstrando assim, que sua intenção primordial é redimir Israel numa histórica demonstração.
V.11; Segundo o Rabino Rashi, durante sete dias Deus tentou persuadir Moises ir ao Egito e ele se recusou. Sua argumentação dividia – se em três partes: 1) Ele se considerava inapto e inadequado para tal missão; 2) Ele receava falhar, pois tanto o faraó como os israelitas não ouviram; 3) Os judeus talvez não merecessem a intervenção miraculosa de Deus. Mais tarde, um novo elemento somou – se a estes, Moisés acreditava que seu irmão estava mais preparado do que ele para liderar o povo de Israel.
Se Deus tivesse dito para Moises e a seus servos os obstáculos que eles teriam, eles não aceitariam o chamado, Deus falou aos seus profetas e falará a nós também.
Tinha que remover o rei do Egito e convencer o povo, mas Moises teve autoridade de convencer o povo. (Deus prefere convencer os governantes ao invés de tira – los).
Êxodo. 6.3; Deus revelou seu nome a Moises para poder o fortalecer, o nome Deus revela a sua natureza. Ele revelou a Moises o seu verdadeiro nome, mas a Abraão ele se revelou como o Todo - Poderoso (El Shaday). 
Não pensemos que por Deus ter falado, não teremos problemas a ponto de dizer que Deus não está no negócio. Quando não tivermos saída para o lado ela será para cima, na fogueira ele é o nosso refrigério. Faraó rejeitou a ordem de Deus e trouxe mais opressão sobre o povo.
Deus faz tudo por etapas, Deus usa o que temos como Moises entre os magos de faraó, a vara, e sua própria mão que ficou leprosa como sinal da sobrenaturalidade do Senhor.
Deus prometeu uma terra fértil para o povo que achava que saindo do Egito ia encontra – la de imediato, mas haveria muitos obstáculos para se chegar lá. Achamos e queremos que seja tudo fácil e tranqüilo.
Deus levantou Moises para que fosse um instrumento a qual se utilizasse para libertar o seu povo da opressão egípcia e prometeu que daria ao povo uma farta e prospera terra e que expulsaria os povos que lá se encontrava, Deus estava ouvindo o clamor e o pranto do seu povo e estabeleceu o fim de todo aquele sofrimento.
Para convencer o Rei do Egito a liberta - los Deus deu poder a Moises para que dessa forma Faraó se convencesse de que não estava tratando com um deus morto, mas o Deus todo poderoso que opera obras sobrenaturais. Inicialmente Faraó só presenciou a manifestação de três milagres a vara que se transforma em serpente, a mão com lepra, e a primeira praga das dez que Deus enviou sobre o Egito as águas do rio Nilo que se transforma em sangue.
Deus estava libertando o povo para que fosse até o deserto para sacrificar e após isso Ele levaria ao povo para a terra prometida.
Deus ainda abençoou o seu povo antes deles saírem do Egito, fazendo com que todos os vizinhos egípcios dessem objetos de prata e ouro, assim dessa forma o povo saiu rico e abastado do Egito não saíram de mãos vazias. Haverá alarido de vitória no teu arraial. 

AS PORTAS DE DEUS PARA SUA VIDA

As Portas de Deus Para Sua Vida

Texto: Ez. 22.30;Neemias. 3; Ap.3;

E a porta velha repararam-na Joiada, filho de Paséia, e Mesulão, filho de Besodias; estes a emadeiraram, e levantaram as suas portas com as suas fechaduras e os seus ferrolhos.

Introdução: Cristo possui a “chave de Davi”, porque Ele abre e ninguém fecha, Ele fecha e ninguém pode abrir, porque em suas mãos está a chave mestra que abre todas as portas e fecha todas as portas. Tanto a igreja como a cidade de Filadélfia era pequena, mas não foram esquecidas por Cristo, que prometeu que abriria uma porta para eles mesmo que todas as portas estivessem fechadas, porque Cristo sempre tem uma porta para os seus servos. (Is. 22.22;)

Porta do Monturo: Levanta o pobre do pó, e desde o monturo exalta o necessitado, para o fazer assentar entre os príncipes, para o fazer herdar o trono de glória; porque do SENHOR são os alicerces da terra, e assentou sobre eles o mundo Deus mudara seu cativeiro. (1SM 2:8;Jó.1;)

Porta do Cavalo: Cavalo nas Escrituras simboliza guerra, contenda perplexidade, ansiedade, luta e apreensão. 

Porta do Vale: No final de todo vale há um monte onde Deus ordenara a benção (SL 133:3; Ez.37;)

Porta Velha: É o mundo

Porta do Peixe: È a porta da vida.

A porta das ovelhas: é Cristo

Porta das Águas: as águas que saiam do templo(Ez.40;47;)

Porta da Fonte: a mulher samaritana (Jo. 4;) a porta dos céus (Gn.28.17;)

Conclusão: Cristo vai abrir a porta da bênção e vai fechar a porta da maldição na sua vida, ele abrirá a porta da finança, da família, espiritual, conjugal, ministerial, física por que o seu nome é Yavé Ropheka (Ele é o teu médico).

REGARAS PARA UM AVIVAMENTO

Regras Para Se Ter Um Avivamento



Regras Para Se Ter Um Avivamento

Texto: Joel. 2.12 – 32; Is. 54.2; At.2; 2.39 Texto: Hc. 3.1 – 2; II Rs. 22.8 – 20; II Cr. 29; 34.14 – 18; Ne. 8;

Introdução:
O avivamento é a obra de Deus, do dedo de Deus. O avivamento espiritual não pode ser organizado pelos homens, ou orquestrado por alguém. O avivamento acontece quando Deus abre as comportas do céu.
O avivamento acontecerá quando reconhecermos a grandeza, a supremacia e a majestade do Senhor.
A liturgia é iniciada a partir da adoração-louvor, algo impossível de acontecer sem o perdão e a confissão.
O avivamento espiritual nasce da palavra de Deus o homem não pode determinar dias e horas para suceder um avivamento mesmo que ele se esforce, não existem cultos de avivamento a não ser para busca - lo, o que ele pode fazer e clamar para que Deus envie, não é mudança litúrgica, animação e euforia carnal. Não adianta o pregador pregar sobre avivamento se o povo não o deseja, o avivamento acontece em tempos difíceis, tempos de caos, de fome. Quando aconteceu o pentecoste Jerusalém estava tomada de uma grande fome causada por uma devastadora seca, na Rua Azuza em Los Angeles em 1907 quando aconteceu um grande avivamento, Los Angeles estava tomada pelo caos do grande incêndio que ocorreu desabrigando e matando milhares de pessoas aí aconteceu um tremendo avivamento.
•O Profeta mostra que não há restrições quanto ao sexo e a faixa etária do individuo, não precisa ser digno de receber porque ninguém o é, Deus dá porque ele prometeu. (At.2.39;).
•O Espírito concede e o individuo fala em outras línguas, não pense que o Espírito vai falar na sua boca porque ele não fala, mas concede a você no se coração as línguas para que você fale e não ele.
•Porque será que o profeta disse que o derramamento vem depois o que ele queria dizer com isso, o que ele tinha em mente com essa declaração? Porque este depois se torna um condicional para o efetuar do derramamento de poder,depois que o povo voltar para o Senhor de todo o coração;depois jejuarmos;depois de chorarmos e prantearmos; depois de rasgar – mos o nosso coração e não nossas vestes; depois tocarmos a trombeta em Sião; depois de santificarmos; depois que os sacerdotes e ministros chorarem e intercederem pelo povo ao Senhor. O autentico avivamento bíblico é o que produz mudanças éticas e estéticas, internas e externas, mudança de caráter não como a igreja de Corinto que tinha carisma, mas não tinha caráter, acontece uma metanoia mudança de mente e atitude.
•Os cristãos modernos estão hibernado, esta num sono letárgico.

ENXERGANDO A VIDA DO PONTO DE VISTA DE DEUS

ENXERGANDO A VIDA DO PONTO DE VISTA DE DEUS



Eu gostaria de usar um exemplo de como podemos enxergar a vida, como o nosso próprio ser, longe do ponto de vista de Deus. Eu escolhi para a nossa meditação, uma passagem da vida de Jonas. Deus o havia chamado para pregar o Caminho de Deus aos ninivitas. Esse povo sempre representou uma das maiores ameaças ao povo de Israel. Portanto, qualquer israelita vivo com um espírito nacionalista, sem dúvida alguma, desejaria muita distância de Nínive e o inferno como local de habitação eterna para eles. Esse era o clima sócio-político da época em que Deus chamou a Jonas.
A Ira de Jonas
1 Jonas, porém, ficou profundamente descontente com isso e enfureceu-se. 2 Ele orou ao Senhor: “Senhor, não foi isso que eu disse quando ainda estava em casa? Foi por isso que me apressei em fugir para Társis. Eu sabia que tu és Deus misericordioso e compassivo, muito paciente, cheio de amor e que prometes castigar mas depois te arrependes. 3 Agora, Senhor, tira a minha vida, eu imploro, porque para mim é melhor morrer do que viver”. 4 O Senhor lhe respondeu: “Você tem alguma razão para essa fúria?” 5 Jonas saiu e sentou-se num lugar a leste da cidade. Ali, construiu para si um abrigo, sentou-se à sua sombra e esperou para ver o que aconteceria com a cidade. 6 Então o Senhor Deus fez crescer uma planta sobre Jonas, para dar sombra à sua cabeça e livrá-lo do calor, o que deu grande alegria a Jonas. 7 Mas na madrugada do dia seguinte, Deus mandou uma lagarta atacar a planta e ela secou-se. 8 Ao nascer do sol, Deus trouxe um vento oriental muito quente, e o sol bateu na cabeça de Jonas, ao ponto de ele quase desmaiar. Com isso ele desejou morrer, e disse: “Para mim seria melhor morrer do que viver”. 9 Mas Deus disse a Jonas: “Você tem alguma razão para estar tão furioso por causa da planta?” Respondeu ele: “Sim, tenho! E estou furioso ao ponto de querer morrer”. 10 Mas o Senhor lhe disse: “Você tem pena dessa planta, embora não a tenha podado nem a tenha feito crescer. Ela nasceu numa noite e numa noite morreu. 11 Contudo, Nínive tem mais de cento e vinte mil pessoas que não sabem nem distinguir a mão direita da esquerda, além de muitos rebanhos. Não deveria eu ter pena dessa grande cidade?” (Jn. 4:1-11)
Nós entendemos que o modo como definimos nossas vidas, pode determinar o nosso destino, pois a nossa perspectiva da vida influencia no nosso tempo, no modo como gastamos e investimos o dinheiro, como usamos os nossos talentos, o modo como nos vestimos, como valorizamos os nossos relacionamentos, etc.

As pessoas estão sempre expressando o modo como eles vêem a vida através da suas roupas, jóias, carros, penteados, adesivos e até mesmo as tatuagens. Converse com as pessoas e você perceberá as metáforas que influencias suas vidas, suas esperanças, valores, relacionamentos, metas e prioridades. Se uma pessoa vê a vida como uma festa, seu principal valor é divertir-se. Se alguém vê a vida como uma batalha, para ele vencer é o mais importante. São muitos os exemplos.

Eu não sei como você vê a sua vida, mas este conselho divino serve para cada um de nós:

2 Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar e comprovar a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. (Rm.12:2 NVI)
Deus não comete erros e a Sua vontade é boa, agradável e perfeita para todos. Os ninivitas eram como animais, mas eles não haviam tido realmente uma chance de mudarem a sua maneira de pensar, e foi por isso que Jonas foi convocado para pregar em Nínive. Ele acabou indo e pregando, mas de mau gosto! Por quê?

Jonas era um nacionalista e o nacionalismo e o ódio ou o rancor, era o que dirigia a sua vida em relação ao povo de Nínive. A metáfora da vida de Jonas o fazia com enxergasse a situação à sua maneira. Vamos comparar a sua visão da situação com a visão de Deus:

Quando Jonas viu a cidade, ele viu somente os problemas.
Quando Deus viu a cidade, ele viu as pessoas.
Quando Jonas viu a cidade, ele sentia raiva.
Quando Deus viu a cidade, ele sentia compaixão.
Quando Jonas viu o arrependimento deles, ele se pôs bravo.
Quando Deus viu o arrependimento deles, ele Se alegrou.
Jonas havia desistido da cidade, Deus não!
Jonas quis destruir, Deus quis resgatar.
Jonas odiou a cidade porque estava cheia de pecado.
Deus amou a cidade porque estava cheia de pecadores.
Jonas viu o pecado - e odiou os pecadores.
Deus viu os pecadores - e os amou de qualquer maneira.
Pobre Jonas, não é mesmo? Um profeta discordante do Deus Altíssimo! Mas isto não é só um problema de Jonas – é o nosso também?
Nós discordamos de Deus quando Ele diz que a vida é um teste. Deus testa as pessoas com relação ao seu caráter, fé, obediência, amor, honestidade e lealdade. Todos os homens e mulheres da Bíblia, foram testados por Deus. A questão do teste não é para Deus, porque Ele já nos conhece, mas o teste é para nós avaliarmos em que ponto nós estamos no nosso relacionamento com Deus e com o nosso compromisso com as verdades eternas. Nenhum teste que Deus nos dá irá além do que podemos suportar e quando passamos nos testes divinos, implica em uma recompensa na eternidade. (1 Co.10:13; Tg.1:12)

Israel não era propriedade de Jonas, assim como a sua própria vida e isto nós também precisamos aprender: nada é nosso, tudo é um empréstimo de Deus (vida, filhos, marido, esposa, dinheiro, trabalho, carro, casa, etc.). Nossas vidas estão sendo avaliadas pelo modo como utilizamos as coisas que Deus nos empresta e isto significa que há implicações eternas.

Veja o caso de Jonas: Nínive mudou a sua maneira viver e a de pensar sobre Deus. Jonas não! Deus lhe ensina uma lição. Permite que o que lhe dava refrigério (a planta) morresse, sendo atacada por um verme. Planta, verme, refrigério... todas estas coisas não têm algum significado? A planta representava o próprio profeta. O verme representava o mal que dirigia a sua vida e que poderia extinguir o seu refrigério em Deus.

Anais Nin disse que “nós não vemos as coisas como são, mas como nós somos”. Você pode estar querendo fazer a Obra de Deus, mas ela não deve ser feita da maneira como você enxerga a vida e sim, do ponto de vista de Deus; pois, quanto mais Deus lhe dá, mais responsável Ele espera que você seja! (Lc.12:48)